segunda-feira, 15 de abril de 2013

Maturidade espiritual


Durante a infância, o ser humano experiencia a fase do egocentrismo.
Acredita que o mundo gira em torno dele próprio.

A criança espera que tudo seja do jeito que gosta.

Acredita ter direito ao melhor presente, à comida preferida e exige a
atenção da família toda para si.

É possível estabelecer uma comparação entre essa fase natural da
evolução física e a evolução espiritual.

Afinal, homens são Espíritos que temporariamente vestem um corpo de carne.

Enquanto um homem tem a atenção focada em seus prazeres e
necessidades, ele está na infância espiritual.

Por mais antigo que seja, ainda não atingiu a maturidade.

Considera absolutamente necessário defender seu espaço e fazer valer
suas prerrogativas.

Como uma criança, entende ser justo o que o beneficia.

Assim é o discurso infantil a respeito da justiça.

Qualquer pequeno dever é injusto.

A mínima contrariedade representa opressão.

Já as vantagens todas, por grandes que sejam, são naturais.

A maturidade espiritual revela-se por uma diferente compreensão do justo.

O olhar já não está todo em vantagens e desejos.

Não há mais a percepção de que o mundo precisa atender todas as suas
necessidades.

Gradualmente, o homem compreende que o direito nasce do dever bem cumprido.

Ele também entende que a vida em sociedade pressupõe renúncia.

Não é possível que todos realizem as próprias fantasias.

Se isso ocorresse, haveria o caos.

Há necessidade de limites e de concessões para a harmonia social.

O homem maduro aprende a prestar atenção nos direitos dos outros, pois
o ideal do justo já despertou nele.

Sabe que a justiça é uma arte que implica dar a cada um aquilo que é seu.

Por isso, não avança no patrimônio do semelhante.

Não quer vantagens inapropriadas e nem aceita privilégios que os
demais não podem ter.

Compreende que a família do próximo é tão respeitável quanto a dele.

Sabe que o patrimônio público é sagrado, pois voltado ao atendimento
das necessidades coletivas.

Respeita profundamente a honra e as construções afetivas dos outros.

Seu senso ético não lhe permite baixezas, razão pela qual também tem a
própria honra em grande conta.

O espetáculo das misérias humanas revela o quanto ainda são imaturas
as criaturas, sob o prisma espiritual.

Entretanto, todas serão conduzidas à maturidade, pelos meios
infalíveis de que a vida dispõe.

Cedo ou tarde, compreenderão quão pouco adianta amealhar bens e
posições à custa da própria dignidade.

Quem se permite baixezas tem um despertar terrível, após a morte do corpo.

Assimila que, na cata de vantagens, se tornou um mendigo na verdadeira vida.

Percebe que sacrificou o permanente pelo transitório e perdeu tempo,
pois terá de recomeçar o aprendizado.

Pense nisso.

Redação do Momento Espírita.
Em 30.03.2010.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

A apresentação está falhando?

Entre no "www.gmail.com" e feche o usuário aberto.

Divulgue este blog (cartão virtual)

Divulgue este blog (cartão virtual)
Clique com o botão direito do mouse, copie a imagem, cole em uma nova mensagem e envie para seus colegas! caso falhe, procure salvar a imagem e depois enviar como anexo.