sexta-feira, 23 de junho de 2017

Cooperador


Imagine-se em frente a um violino. Instrumento que lhe espera sensibilidade e inteligência, atenção e carinho para vibrar com você na execução de uma melodia.
Se você o toma de arranco, é possível que lhe caia das mãos, desafinando-se, quando não seja perdendo alguma peça.
Se esquecido em algum recanto, é provável se transforme em ninho de insetos que lhe dilapidarão a estrutura madeirada.
Se usado, à feição de martelo, fora da função a que se destina, possivelmente se despedace.
Entretanto, guardado em lugar próprio e manejado na posição certa, como a lhe escutar o coração e o cérebro, ei-lo que lhe responde com a sublimidade da música.
Assim, igualmente na vida, é o companheiro de quem você espera apoio e colaboração.
Chame-se familiar ou companheiro, chefe ou subordinado, colega ou amigo, se você lhe busca o auxílio, a golpes de azedume e brutalidade, é possível lhe escape da área de ação, magoando-se ou perdendo o estímulo ao trabalho.
Se largado ao menosprezo, é provável se entregue a influências infelizes, capazes de lhe envenenarem a alma.
Se empregado por veículo de intriga ou maledicência, fora das funções edificantes a que se dirige, talvez termine desajustado por longo tempo.
Mas, se conservado com respeito, no culto da amizade, e se mobilizado na posição certa, como receber de você as melhores vibrações do coração e do cérebro, ei-lo a lhe corresponder com a excelência e a oportunidade da colaboração segura.
Tal cooperação será erguida em bases de amor que é, em tudo e em todos, o supremo tesouro da vida.
*   *   *
Sem indulgência e compreensão é impossível encontrar cooperadores eficientes e dignos.
A convivência constante é desafio ofertado a todos nós, do qual precisamos sair vencedores.
Os companheiros que nos parecem mais difíceis no conviver, são instrumentos da ordem universal, lapidando nossas virtudes ainda brutas.
O chefe rotulado como intolerante e grosseiro, é convite para que desenvolvamos a tolerância e o perdão. Não podemos mudar as pessoas, mas podemos mudar o modo de enxergá-las.
O subordinado desatencioso e ineficiente é, muitas vezes, aprendiz da vida, que chegou a nossas mãos para que lhe ensinemos a ser melhor.
Frequentemente as pessoas mais desprezíveis, em nossa superficial avaliação, guardam tristeza imensa na alma, cicatrizes que ainda machucam muito e que nosso julgamento precipitado nunca reconhece.
O vizinho de mesa no ambiente de trabalho é alma como a nossa, com os mesmos direitos que nós mesmos. Jamais nos coloquemos em posição de superioridade vaidosa e egoística.
Todos temos direito a dias ruins, quando o humor está abalado e o sorriso não quer aparecer. Todos, inclusive nosso companheiro de trabalho.
A harmonia da convivência, mesmo com estranhos e pessoas muito diferentes de nós, só será conquistada quando passarmos a olhá-los com compaixão e empatia.
Ouviremos então uma orquestra tocando bela música, com violinos, violas, violoncelos e baixos - instrumentos diferentes, mas que tocam a mesma melodia de amor.

Redação do Momento Espírita com base no cap. 20,do livroCaridade, pelo Espírito Emmanuel, psicografia de Francisco
Cândido Xavier, ed. Ide.

Em 31.07.2012.




A apresentação está falhando?

Entre no "www.gmail.com" e feche o usuário aberto.

Divulgue este blog (cartão virtual)

Divulgue este blog (cartão virtual)
Clique com o botão direito do mouse, copie a imagem, cole em uma nova mensagem e envie para seus colegas! caso falhe, procure salvar a imagem e depois enviar como anexo.