sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Sentir Deus


O jovem professor entrou na sala de aula e encontrou seus pequenos alunos debatendo, calorosamente, sobre Deus.
Como poderiam acreditar que Deus existe se não conseguiam vê-Lo, nem tocá-Lo?
Percebendo o nível da discussão filosófica das crianças, o professor pediu licença e propôs a elas uma experiência.
Colocou sobre a mesa dois copos transparentes com água, e perguntou se elas podiam notar algo de diferente entre um e outro.
Os pequenos responderam, em uma só voz: Nenhuma diferença. Ambos contêm água limpa.
Então, o jovem deu a cada um deles uma colher, pedindo-lhes que provassem um pouco do conteúdo de cada copo.
Quando todos haviam experimentado tornou a perguntar: E então, ainda afirmam que são iguais?
E a resposta foi outra: Não, num dos copos a água é doce, no outro não é.
Aí o jovem educador disse: Acontece o mesmo com relação a Deus. Para perceber a Sua existência é preciso experimentá-Lo.
Não podemos vê-Lo nem tocá-Lo, mas podemos senti-Lo.
E percebendo que a classe estava ávida para saber mais a respeito dessas questões, o professor continuou com seus argumentos.
Deus não pode ser tocado com as mãos, nem medido com fita métrica, pesado na balança, ou visto com os olhos físicos.
Mas podemos sentir Deus ao tocar as pétalas de uma flor, sua textura aveludada, seu perfume, sua coloração única...
Não podemos medir Deus, mas podemos mensurar Sua grandiosidade nas dimensões do Universo, nos astros a girar no firmamento, nas manhãs claras e belas, na organização dos seres infinitamente pequenos.
Não podemos pesar Deus, mas podemos perceber Sua força geradora e mantenedora, nas Leis que regem e sustentam constelações, nebulosas e galáxias, suspensas no espaço sem fim.
Podemos observar o Criador no impulso das ondas que agitam os oceanos, no instinto dos animais, na dança das estações.
Não conseguimos ver Deus com os olhos, mas podemos sentir Deus nas múltiplas expressões do bem e do belo, do amor criativo e ativo, na chama de esperança que vibra na alma de cada filho Seu.
Deus é invisível, mas Sua presença é evidente nas várias expressões do dinamismo da vida:
No sangue que corre em nossas veias...
No oxigênio que respiramos...
No sol que dardeja ouro sobre a Terra, possibilitando a vida...
Na lua, satélite silencioso e solitário, que vigia o planeta durante as noites...
Na chuva, que cai de mansinho acordando as sementes que dormem sob o solo generoso...
Na brisa leve que conduz o pólen e permite a geração das flores.
Ah, as flores...
As flores são a assinatura do próprio Criador no quadro da natureza...
*   *   *
O observador atento não enxerga só com os olhos do corpo...
Como disse o poeta ao seu Pequeno Príncipe: O essencial é invisível aos olhos. Porque os olhos são extremamente limitados.
Os filósofos, os poetas, os artistas, os profetas e, por que não, os cientistas, veem mais com a alma do que com os olhos.
Para enxergar bastam os olhos mas para ver é preciso um sentido a mais...
Pense nisso e experimente sentir Deus.
Redação do Momento Espírita, com base em palestra de
 Cristian Macedo, no Centro Espírita Ildefonso Correia, em 14/02/2005.
Disponível no CD Momento Espírita, v. 11, ed. Fep
Em 31.01.2010.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

A apresentação está falhando?

Entre no "www.gmail.com" e feche o usuário aberto.

Divulgue este blog (cartão virtual)

Divulgue este blog (cartão virtual)
Clique com o botão direito do mouse, copie a imagem, cole em uma nova mensagem e envie para seus colegas! caso falhe, procure salvar a imagem e depois enviar como anexo.