sexta-feira, 25 de abril de 2014

Pressão doméstica


Hoje em dia, talvez motivados pelo desejo de ver seus filhos bem sucedidos, muitos pais começam desde cedo a fazer grande pressão sobre eles.
Alguns dizem e repetem com frequência: Meu filho tem que ser o primeiro... Meu filho tem que ser o melhor... Ele tem que ser um vencedor.
A criança cresce ouvindo isso o tempo todo e entende que esse é o desejo de seus pais. E, porque gosta dos pais, não quer que eles se decepcionem.
Quiçá seja por essa razão que, no dia da prova, quando se sente insegura, busca colar de alguém para obter uma boa nota e não infelicitar os pais, que esperam que ela seja a maior...
A criança precisa ser aceita e entende que, para que os pais gostem dela, deverá ser como eles desejam que seja.
Nesse caso, ela fará qualquer coisa para ser gostada.
Começa colando na escola, depois paga para que terceiros façam os trabalhos propostos pelos professores... E acabam roubando teses para conseguir a graduação que almejam.
Logo surgem os expedientes mais desonestos para subir de posto, no campo profissional. Não hesitam em caluniar colegas para conquistar o cargo que desejam.
Afinal, se os pais sempre esperaram que ele fosse o primeiro, é preciso ser o primeiro, mesmo que isso custe a sua dignidade, aliás, ele nem sabe o que quer dizer isto, pois seus pais não lhe falaram a respeito dessa virtude.
Cobraram-lhe resultados e ele foi à luta. Deveria ser o melhor, e ele tem se esforçado para isso... A que preço? Bem, isso é o de menos... O importante é que seja o primeiro.
Pais que agem dessa maneira, talvez pensem que o fazem por amor, mas estão cometendo um crime sem se dar conta disso.
Dizemos um crime porque incentivam o filho a se tornar um cidadão desonesto, irresponsável, tudo porque desejam que seja visto nos primeiros lugares no palco do mundo, ainda que isso o faça ser o último nos palcos celestes.
Um crime porque o Espírito que lhes foi confiado pelo Criador para que o ajudassem a ser um gigante, foi convertido em um pigmeu moral.
Faz-se urgente pensar nesse problema que a tantos tem infelicitado.
Pais que pressionaram os filhos para que fossem sempre os primeiros, muitas vezes só se dão conta disso quando veem seus nomes nas manchetes dos jornais, figurando como contraventores.
É para esse fato que muitos pais não atentam: que suas crianças, um dia, se tornarão adultos e poderão decidir os destinos de uma nação.
Por essas e outras razões, vale a pena investir no homem de amanhã, tomando-o pela mão quando ainda criança, e dar-lhe noções de dignidade e honradez, sem essa tolice de querer que seja o primeiro em tudo.
Ensinar-lhe que não importa ser o melhor, mas que seja bom o bastante para formar outros cidadãos de bem, exercer com honra e justiça sua profissão, construir um mundo melhor.
*  *  *
Se você recebeu de seus pais uma educação que fez de você uma mulher ou um homem honesto, não negue isso a seus filhos.
Pense que somente um amor exigente e lúcido será capaz de conduzir uma alma pelo caminho do bem.
Seu filho é essa alma sedenta de luz. Não o deixe caminhar para as trevas da desonra e da insensatez.
Avalie os valores que lhe tem passado e, se necessário, corrija os passos e acerte a direção, sem demora nem hesitação.

Redação do Momento Espírita, com base em Seminário proferido por Raul Teixeira, no VI Simpósio Paranaense de Espiritismo, em 27 de maio de 2003.
Em 23.01.2012.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

A apresentação está falhando?

Entre no "www.gmail.com" e feche o usuário aberto.

Divulgue este blog (cartão virtual)

Divulgue este blog (cartão virtual)
Clique com o botão direito do mouse, copie a imagem, cole em uma nova mensagem e envie para seus colegas! caso falhe, procure salvar a imagem e depois enviar como anexo.