quinta-feira, 4 de julho de 2013

Morrer lentamente


  Morre lentamente quem não sorri para uma nova manhã, quem esqueceu
de olhar as estrelas na noite anterior e quem não se encanta com a
grandiosidade da natureza à sua volta.

        Morre lentamente quem não encontra graça em si mesmo, quem
destrói o seu amor-próprio, quem não se deixa ajudar.

        Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito,
repetindo todos os dias os mesmos trajetos, quem não muda de marca,
não se arrisca a vestir uma nova cor, ou não conversa com quem não
conhece.

        Morre lentamente quem faz da televisão seu guru, ou sua única companhia.

        Morre lentamente quem não toma iniciativa alguma quando está
infeliz com seu trabalho, quem não arrisca nem um pouco que seja, para
ir atrás de um sonho.

        Morre lentamente quem passa os dias se queixando de sua má
sorte ou da chuva incessante ou do sol intenso.

        Morre lentamente quem abandona um projeto antes de iniciá-lo,
quem não pergunta sobre um assunto que desconhece, ou não responde
quando lhe indagam sobre algo que sabe.

        Morre lentamente quem não mais agradece a Deus pelos filhos
que lhe deu, ou pelos pais que o receberam neste mundo.

        Morre lentamente quem não retribui o sorriso de um bebezinho,
e quem não acha fascinante a forma pela qual chegamos todos a este
mundo.

        Morre lentamente quem não abraça, quem não beija, quem não
expressa carinho de alguma forma – mesmo que através de um olhar.

        Morre lentamente quem é adepto de expressões como Este mundo
não tem jeito mesmo, ou A coisa está cada dia pior.

        Morre lentamente quem se desespera com a perda de um amor, e
não consegue perceber que há muitos que podem ser amados por nós, e
muitos que podem nos amar profundamente.

        Morre, sem perceber, dia após dia, quem não se dedica à
felicidade de alguém, quem não se doa, quem não divide o que tem -
material e espiritualmente – com outras pessoas.

*   *   *

        Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar
vivo exige um esforço muito maior que o simples fato de respirar.

        Estar vivo pressupõe agir, e não apenas reagir. Toda reação é
perigosa, pois comumente não passa pelo processamento seguro da razão.

        Estar vivo implica em fazer avaliações constantes, não
avaliações dos outros, mas de nós mesmos e de nosso viver.

        Quem não se avalia perde grandes chances de se aprimorar, de
poder mudar de rumo quando percebe que a direção poderia ser outra.

        Estar vivo significa: entusiasmo - carregar Deus em nossa
alma, levar a certeza de Sua presença em nossas vidas e a vontade de
conquistar os altos páramos da felicidade.

*   *   *

        Vivo para que o sol tenha sentido, e é minha luminiscência que
ele espelha e devolve ao orbe, agradecido.

        Vivo para que a chuva lave o ar, e leve volte ao éter com meu
perfume elegante, de árvore vigorosa de seiva sã.

        Vivo para que o amor tenha vazão, e não deseje razão – pois de
condição o amar não precisa.

        Vivo para florescer outros jardins, e sem perceber o meu se
abarrota de lírios, ciclames, girassóis...

        Vivo cada dia como se fosse cada dia. Nem o último nem o
primeiro - o único.

Redação do Momento Espírita com
base em texto de nome Quem morre,
de autoria de Martha Medeiros.
Em 02.07.2008.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

A apresentação está falhando?

Entre no "www.gmail.com" e feche o usuário aberto.

Divulgue este blog (cartão virtual)

Divulgue este blog (cartão virtual)
Clique com o botão direito do mouse, copie a imagem, cole em uma nova mensagem e envie para seus colegas! caso falhe, procure salvar a imagem e depois enviar como anexo.