quarta-feira, 29 de maio de 2013

Mensagem do velho ao moço


Você já foi criança um dia... mas os anos se dobraram e fizeram de
você um jovem, quase um adulto...

E agora você me olha com certo desprezo só porque muitos anos se
dobraram para mim e hoje eu sou um velho...

Você observa minhas mãos trêmulas e encarquilhadas e se esquece que
foram as primeiras a acariciar as suas, inseguras na infância.

Critica os meus passos lentos, vacilantes, esquecendo-se de que foram
eles que orientaram seus primeiros passos.

Reclama quando lhe peço para ler uma palavra que meus olhos já não
conseguem vislumbrar com precisão, esquecido das várias palavras que
eu repeti inúmeras vezes para que você aprendesse a falar.

Fala da lentidão das minhas decisões, esquecendo-se de que suas
primeiras decisões foram por elas balizadas.

Diz que eu sou um velho desatualizado, mas eu confesso que pensei
muito pouco em mim, para fazer de você um homem de bem.

Reclama da minha saúde debilitada, mas creia, muito trabalho foi
preciso para garantir a sua.

Ri quando não pronuncio corretamente uma palavra, mas eu lhe afirmo
que esqueci de mim mesmo, para que você pudesse cursar uma
Universidade.

Diz que não possuo argumentos convincentes em nossos raros diálogos,
todavia, muitas foram as vezes que advoguei em seu favor nas situações
difíceis em que se envolvia.

Hoje você cresceu...

É um moço robusto e a juventude lhe empolga as horas...

Esqueceu sua infância, seus primeiros passos, suas primeiras palavras,
seus primeiros sorrisos...

Mas acredite, tudo isso está bem vivo na memória deste velho cansado,
em cujo peito ainda pulsa o mesmo coração amoroso de outrora...

É verdade que o tempo passou, mas eu nem me dei conta...

Só notei naquele dia... naquele dia em que você me chamou de velho
pela primeira vez, e eu olhei no espelho...

Lá estava um velho de cabelos brancos, vincos profundos na face e um
certo ar de sabedoria que na imagem de ontem não existia.

Por isso eu lhe digo, meu jovem, que o tempo é implacável, e um dia
você também contemplará o espelho e perceberá que a imagem nele
refletida não é mais a que hoje você admira...

Mas você sentirá que em seu peito o coração ainda pulsa no mesmo compasso...

Que o afeto que você cultivou não se desvaneceu...

Que as emoções vividas ainda podem ser sentidas como nos velhos tempos...

Que as palavras amargas ainda lhe ferem com a mesma intensidade...

E, que apesar dos longos invernos suportados, você não ficou frio
diante da indiferença dos seres que embalou na infância...

Por isso eu lhe aconselho, meu filho:

Não ria nem blasfeme do estado em que eu estou, eu já fui o que você
é, e você será o que eu sou...

*   *   *

Aquele que despreza seus velhos, é como galho que deixa o tronco que o
sustenta tombar sem apoio.

A ingratidão para com os que nos sustentaram na infância é semente de
amargura lançada no solo, para colheita futura.

Assim, façamos aos nossos velhos o que gostaríamos que nos fizessem
quando a nossa idade já estiver bastante avançada.



Redação do Momento Espírita.
Disponível no livro Momento Espírita, v. 1 e no
CD Momento Espírita, v. 3, ed. Fep.
Em 17.12.2012.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

A apresentação está falhando?

Entre no "www.gmail.com" e feche o usuário aberto.

Divulgue este blog (cartão virtual)

Divulgue este blog (cartão virtual)
Clique com o botão direito do mouse, copie a imagem, cole em uma nova mensagem e envie para seus colegas! caso falhe, procure salvar a imagem e depois enviar como anexo.