segunda-feira, 29 de abril de 2013

Medo do desconhecido




Contam as lendas que um espião foi preso e condenado à morte pelo
general do exército persa.

Sua sentença era o fuzilamento, mas o general tinha um hábito
diferente e sempre oferecia ao condenado outra opção. E essa outra
opção era escolher entre enfrentar o pelotão de fuzilamento ou entrar
por uma porta preta.

Com a aproximação da hora da execução, o general ordenou que
trouxessem o espião à sua presença para uma breve entrevista.

Diante do condenado, fez a seguinte pergunta: O que você quer - a
porta preta ou o fuzilamento?

A escolha não era fácil, por isso o prisioneiro ficou pensativo e, só
depois de alguns minutos, deu a resposta: Prefiro o fuzilamento.

Depois que a sentença foi executada, o general virou-se para o seu
ajudante e disse: Assim é com a maioria dos homens. Preferem o caminho
conhecido ao desconhecido.

E o que existe atrás da porta preta? Perguntou o ajudante.

A liberdade, respondeu o general. E poucos foram os homens corajosos
que a escolheram.

Essa é uma das mais fortes características do ser humano: optar sempre
pelo caminho conhecido, por medo de enfrentar o desconhecido.

Geralmente as pessoas não abrem mão da acomodação que uma situação
previsível lhes oferece.

É mais fácil ficar com a segurança do que já se sabe do que
aventurar-se a investigar novos caminhos.

É por essa razão que muitos não abrem mão de conceitos e preconceitos
para não se expor às novas ideias e raciocínios que exigem uma certa
dose de ousadia.

Em vez da liberdade de pensar e agir, preferem o bombardeio de ideias
já elaboradas pelos outros, nem sempre bem intencionados.

Acomodam-se facilmente a copiar modos e costumes em vez de usar a
razão e o discernimento para construir seu próprio modo de viver, sua
personalidade.

A tudo isso se chama clonagem das ideias.

É por essa razão que os adolescentes são facilmente levados por um
único caminho, já trilhado pela maioria, por necessidade de aceitação
no grupo, ou por insegurança.

É por essa razão que muitos daqueles que detêm o poder insuflam ideias
e medos em pessoas que não se arvoram a pensar com liberdade.

Para se ter uma amostra disso, basta observar o sucesso que as músicas
de mau gosto, de rimas pobres, de palavras chulas e conteúdo
pernicioso têm feito junto à população, através dos meios de
comunicação de massa.

É a clonagem das ideias, dos maneirismos, dos modismos...

Aos domingos, pode-se ligar a televisão e passear pelos canais abertos
para que esta tese se confirme: só se vê as mesmas imagens e o mesmo
batuque, os mesmos conjuntos musicais, com os mesmos gestos
combinados, a mesma rima pobre.

É preciso ousar e sair desse círculo vicioso da mesmice.

É preciso criar programas nobres, que desenvolvam nas crianças, jovens
e adultos, um senso crítico capaz de lhes propiciar a conquista da
própria liberdade.

Liberdade de pensar, de agir, de ser...

Liberdade de discordar da maioria, quando se está convicto de que se está certo.

Liberdade de consciência, de fé religiosa, liberdade de sentir.

*   *   *

Nem sempre o caminho já batido por muitos é o caminho que nos
conduzirá à liberdade.

Nem sempre nadar a favor da correnteza é indício de chegada a um porto seguro.

Às vezes, é preciso escolher um caminho ainda desconhecido da maioria,
mesmo que tenhamos que seguir a sós.

Por vezes, é preciso nadar contra a corrente, optar pela porta
estreita, para que se possa vislumbrar um mundo livre, feliz, sem
constrangimentos que tolhem a liberdade e infelicitam os seres.

Pense nisso!



Redação do Momento Espírita
Em 31.01.2011.






Nenhum comentário:

Postar um comentário

A apresentação está falhando?

Entre no "www.gmail.com" e feche o usuário aberto.

Divulgue este blog (cartão virtual)

Divulgue este blog (cartão virtual)
Clique com o botão direito do mouse, copie a imagem, cole em uma nova mensagem e envie para seus colegas! caso falhe, procure salvar a imagem e depois enviar como anexo.