quinta-feira, 11 de abril de 2013

Maternidade abençoada


Afirma o Apóstolo João, em seu Evangelho que, se todas as coisas
feitas pelo Mestre Jesus fossem escritas, o mundo não comportaria o
número de livros.

A vida de Jesus foi intensa de obras. É o Espírito Amélia Rodrigues
que nos conta que, certa vez, após as pregações do dia, tendo a
multidão se dispersado, o Rabi se afastou para uma parte solitária da
praia e mergulhou em profundo cismar.

Durante aquele dia, as criaturas atendidas que nEle haviam encontrado
diretriz, trouxeram novos candidatos ao Amigo Divino, que a todos
atendera.

As ondas morriam na areia, quase em sussurro, não desejando
interromper o silêncio que se tornara moldura viva na qual a figura do
Mestre se destacava, irradiando claridade.

Foi então que dEle se acercou uma mulher. Desculpou-se por perturbá-Lo
e Lhe falou do seu drama.

Tinha sede de amor, e não lograra a honra de fruir o amor. Há muitos
anos tivera os seus sentimentos de mulher dilapidados e, desde então,
procurava a paz, que parecia dela fugir.

Que fazer, perguntava, para viver a felicidade?

O Mestre perpassou o olhar pela paisagem e lhe falou: Observa a terra
arrebentando-se em flores, frutos e verdor, o rio cantante,
enriquecendo as margens de vida, os astros fulgurando ao longe.

Em tudo, a ordem, o amor, a transparência da misericórdia do Pai,
ensinando equilíbrio e vida.

Em tudo vige a Sabedoria do Criador. Assim, não relaciones dores, nem
mágoas. Levanta o olhar e avança para o futuro.

Senhor, prosseguiu a mulher, entendo a grandeza Divina na Criação. No
entanto, eu me equivoquei e do meu equívoco me nasceu um filho. Ele é
meu motivo de inquietação e desespero.

Mais doce que nunca, Jesus lhe respondeu: A mulher é sempre mãe.

A relva que cresce sobre os escombros oculta as suas deformidades e
disfarça as suas imperfeições.

Quando a mulher é abençoada por Deus, pela maternidade, um filho é
sempre uma estrela engastada na carne, com a oportunidade de espalhar
claridade pelo caminho.

Enquanto houver, na Terra, crianças e mães, o Amor Divino estará
cantando esperanças para a Humanidade.

Não existe filho do equívoco, do delito ou do pecado. Todos eles são
dádivas da Vida para a vida.

Esquece as circunstâncias em que te chegou o anjo que te bate à porta
do sentimento. Levanta-te com ele, avançando no rumo das estrelas.

A mulher, emocionada, procurou os olhos de Jesus, por entre a nuvem de
lágrimas que encobriam sua visão.

Levantou-se com uma discreta reverência, e preparou-se para partir.

Ela não saberia dizer se O ouviu falar ou se O escutou no imo d'alma.

Vai filha, e ama.

*   *   *

A maternidade é a mais elevada concessão de nosso Pai, demonstrando
que o mal jamais triunfará no mundo. Porque, enquanto houver um
coração de mãe, um sentimento maternal, na Terra, o amor ateará o fogo
purificador e a esperança de felicidade jamais se apagará.

*  *  *

Dizem que mãe não tem limite. É como tempo sem hora, luz que não se
apaga quando sopra o vento ou a chuva desaba.

É veludo escondido na pele enrugada. É água pura, ar puro, puro pensamento.

Um poeta ousou dizer que a palavra é pequenina, mas mãe é do tamanho
do céu e apenas menor que Deus!



Redação do Momento Espírita, com base no versículo 25, do cap. 21 do
Evangelho de João, no cap. 5 do livro Há flores no caminho, pelo
Espírito Amélia Rodrigues, psicografia de Divaldo Pereira Franco,
ed. Leal; poema Mãe, de Mário Quintana e poema Para sempre,
de Carlos Drumond de Andrade.
31.08.2009.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

A apresentação está falhando?

Entre no "www.gmail.com" e feche o usuário aberto.

Divulgue este blog (cartão virtual)

Divulgue este blog (cartão virtual)
Clique com o botão direito do mouse, copie a imagem, cole em uma nova mensagem e envie para seus colegas! caso falhe, procure salvar a imagem e depois enviar como anexo.