segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Desbravadores em tempos novos


Quando adentramos pela História das grandes descobertas marítimas, é natural que nos extasiemos. Vikings, com seus barcos compridos e esguios, com linhas de remos nas laterais, uma única vela, cujo casco deslizava sobre ondas bravias em vez de perfurá-las, num truque de engenharia náutica para driblar as tempestades do norte.
Os fenícios com suas embarcações de duas ou três fileiras de remos – birremes ou trirremes e até trinta e cinco metros de comprimento, copiadas por gregos e romanos, que as usaram para dominar a navegação no Mediterrâneo.
Os navios chineses, que chegavam a levar duzentas toneladas de carga, o que lhes permitia uma garantia de sete mil quilômetros, o suficiente para cruzar o Atlântico, sem paradas.
As caravelas portuguesas, com suas velas triangulares que permitiam navegar, na direção contrária aos ventos, com muito mais rapidez e segurança.
De se admirar os fenícios, um povo de população diminuta e de humilde ocupação territorial, em torno de duzentos e cinquenta quilômetros da atual costa libanesa, com cidades importantes como Tiro, Sídon e Biblos.
Suas colônias mediterrâneas eram simples feitorias que mal adentravam no continente. Tendo sido tão poucos, é surpreendente o tanto que realizaram.
Dentre seus méritos náuticos estão as rotas até a Bretanha e o Mar Báltico, quando nenhum outro povo nem sequer sonhava ir tão longe.
E a circum-navegação da África, mais de dois mil anos antes de Vasco da Gama... Tudo isso eles fizeram sem o uso de mapas, contando apenas com a habilidade para construir e navegar seus navios.
Homens de coragem, de visão. Homens que sonhavam sem limites, que desejavam descobrir o desconhecido, o inexplorado.
Na atualidade vivemos a exploração espacial, esse conjunto de esforços do homem em estudar o espaço e seus astros, fazendo uso de satélites artificiais, naves e sondas espaciais.
Em algumas missões, seres humanos se lançam no espaço e já há uma estação espacial internacional, que começou a ser construída em 1998.
*   *   *
Descobertas, arrojo, entusiasmo são as marcas registradas  dos navegadores do ontem, dos astronautas do hoje.
Há, no entanto, um local para o qual todos deveríamos migrar, em verdadeiro papel de exploradores: a intimidade de nós mesmos.
Essa viagem nos levaria ao autodescobrimento: Quem somos? Que tipo de seres somos: simples, desataviados, amorosos?
Ou pessoas complexas, criadoras de problemas, geradoras de inquietação onde quer que nos situemos?
Somos flores que engalanam o jardim da vida ou espinheiros que enfeiam a paisagem e agridem quem se aproxime?
Sim, é preciso coragem para navegar pelas águas turbulentas que conduzem ao mar da intimidade de nós mesmos.
É preciso ser destemido para encarar os monstros que se asilam, adormecidos, desejando despertar, famintos e abusados: ciúme, inveja, ódio, ambição.
As águas territoriais que conduzem ao continente interior são, normalmente, atormentadoras.
E, quais novos argonautas, não em busca do velocino de ouro, mas da realidade interior, o grande desafio é a descoberta de si próprio, é o reconhecimento das próprias virtudes e vícios, a fim de alcançar os louros da vitória sobre si mesmo.
Iniciemos a grande viagem ainda hoje ao país da alma.
Redação do Momento Espírita.
Em 15.10.2014.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

A apresentação está falhando?

Entre no "www.gmail.com" e feche o usuário aberto.

Divulgue este blog (cartão virtual)

Divulgue este blog (cartão virtual)
Clique com o botão direito do mouse, copie a imagem, cole em uma nova mensagem e envie para seus colegas! caso falhe, procure salvar a imagem e depois enviar como anexo.