quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Cântico de fé


As ruas da imensa cidade estavam movimentadas naquele entardecer.
Carros, ônibus, motocicletas e pedestres lotavam as vias e a sinfonia de buzinas era quase ensurdecedora.
Nesse torvelinho, um senhor bastante idoso esperava, longa e demoradamente, uma chance para fazer, com segurança, a travessia de um perigoso cruzamento.
De dentro de um estabelecimento comercial próximo, um jovem percebeu que há muito o idoso aguardava sua vez, sem obter sucesso.
Tomado de compaixão, o rapaz decidiu ajudá-lo a chegar do outro lado da rua.
Aproximando-se do ancião, percebeu o motivo da dificuldade para a realização da travessia: além de ser idoso, ele trazia em mãos uma bengala típica de portadores de deficiência visual.
De forma cuidadosa, a fim de não assustar ou constranger, o jovem aproximou-se dele e ofereceu ajuda.
O senhor, sorrindo aliviado, assentiu com a cabeça e ambos atravessaram a rua, conversando alegremente sobre coisas mais diversas do dia a dia.
Tomado pela curiosidade, o rapaz indagou se ele não tinha um pouco de receio ao confiar em estranhos a fim de auxiliá-lo em travessias arriscadas como aquela.
Meu filho, respondeu o senhor, no início eu tinha muito medo. Mas com os anos e, por conta da necessidade, fui aprendendo a confiar. Aprendendo, digo, pois confiar é um ato, antes de tudo, de caridade.
Surpreso com a lição que acabara de receber, o jovem despediu-se do gentil senhor, que prosseguiu, sereno, sua jornada.
*   *   *
Confiar não é tarefa fácil.
Tantas são as notícias de tragédias, violência gratuita, desamor, que nossa capacidade de estabelecer vínculos de confiança com o nosso próximo torna-se cada vez mais restrita.
E a confiança em Deus? A busca pela fé?
Por conta das dores do mundo, muitos chegam a afirmar que Deus não existe ou, se existe, nos abandonou.
A fé em Deus, no outro e em nós mesmos é virtude a ser conquistada pelo espírito caminheiro do progresso. E, por assim ser, necessita de muito trabalho e esforço íntimo.
Não nos permitamos esquecer de que Deus, o zeloso Criador, jamais nos abandona. Antes, permite que passemos pelo sofrimento, a fim de que a dor, esse remédio amargo, mas eficaz, possa nos curar as almas enfermas pelo orgulho e egoísmo.
Não percamos a confiança no outro, mesmo sabendo que, muitas vezes, ele fará escolhas equivocadas que poderão nos ferir o coração. Que nossa fé nos faça recordar que ele é ainda imperfeito, assim como também somos.
E não percamos a confiança em nós mesmos, mesmo que possamos cair, várias vezes, ao longo da jornada. Que nossa fé nos lembre de que é somente caindo que aprendemos a caminhar.
*   *   *
Nos momentos em que as escuras nuvens da falta de fé nublarem nosso caminho, nos lembremos da poesia de Davi, o salmista:
O Senhor é meu pastor e nada me faltará.
Certamente que a bondade e misericórdia de Deus me seguirão por todos os dias de minha vida. E habitarei na casa do Senhor por longos dias.

Redação do Momento Espírita, com transcrição
de versos do Salmo 23, do livro bíblico
Salmos.
Em 5.12.2013




Nenhum comentário:

Postar um comentário

A apresentação está falhando?

Entre no "www.gmail.com" e feche o usuário aberto.

Divulgue este blog (cartão virtual)

Divulgue este blog (cartão virtual)
Clique com o botão direito do mouse, copie a imagem, cole em uma nova mensagem e envie para seus colegas! caso falhe, procure salvar a imagem e depois enviar como anexo.