quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Sementes de corrupção


Dia desses um garoto chegou em casa e perguntou à mãe quanto ela lhe pagaria se ele tirasse nota dez na prova.
A proposta surpreendeu a genitora, acostumada a educar os filhos com lucidez e bom senso.
Por que eu deveria lhe pagar por isso, meu filho? Perguntou com tranquilidade.
Ora, mãe, o pai do meu amigo vai pagar cem reais se ele tirar um dez na prova de inglês.
E você acha isso correto, filho?
Ah, eu acho que cem reais dá para comprar uma porção de coisas..., respondeu o menino, entusiasmado.
A sábia educadora aproveitou o momento para um diálogo esclarecedor com o filho amado.
Filho, você acha correto o que esse pai está fazendo, pagando para o filho fazer o que é apenas a sua obrigação?
O garoto respondeu que não sabia se era certo ou não, e a mãe continuou:
Você já ouviu falar em corrupção?
Sim, disse o menino.
E você acha direito uma pessoa cobrar para fazer a sua obrigação?
Não, eu não acho.
Estudar é sua obrigação, não é filho?
Sim, é minha obrigação.
Pois bem, seu pai e eu fazemos a nossa parte, que é lhe dar oportunidade de aprender para que seja um homem instruído e possa ser útil à sociedade da qual faz parte.
Mas não desejamos que seja apenas instruído.
Queremos, acima de tudo, que seja um homem de bem, um homem moralizado, um homem digno e justo.
É por isso que você nunca irá receber dos seus pais qualquer compensação para fazer a sua parte.
O garoto concordou com a mãe, mas, ainda interessado no assunto questionou:
Quer dizer que isso é corrupção, mãe?
Sim. Pagar alguém para fazer ou deixar de fazer a sua obrigação é corrupção.
Existem funcionários que recebem um salário para fazer o seu trabalho mas, costumam pedir um valor a mais, uma "gratificação" para "agilizar" o processo.
Isso significa que estão prejudicando aqueles que não têm dinheiro para pagar esse "favor" ou que não compactuam com essa prática.
Talvez para deixar o ensinamento mais claro para o filho, a mãe continuou:
E a corrupção não está relacionada exclusivamente com o dinheiro, filho. Quando um juiz, por exemplo, que julga uma causa e favorece um amigo ou outro interesse qualquer, sem considerar a verdadeira justiça, está se corrompendo e corrompendo o sistema.
Qualquer pessoa, enfim, que age em desacordo com sua própria consciência, é corruptora dos bons costumes.
Se o garoto entendeu tudo não se sabe, mas abandonou a ideia de receber um pagamento para tirar boas notas e foi estudar para a prova que iria fazer no dia seguinte.
*   *   *
Felizmente, nem todos os cidadãos da nossa sociedade são corruptos ou corruptores.
Mas, se você já sofreu algum tipo de extorsão, sabe o quanto é amargo o sabor desse tipo de violência.
Se você já sofreu qualquer tipo de injustiça por parte de quem deveria representar a sã justiça, sabe o quanto isso gera desgosto e infelicidade.
Pense nisso e faça a sua parte para eliminar essas sementes nocivas de corrupção e desamor.
Aja com honestidade e eduque seus filhos para serem cidadãos dignos e incorruptíveis.
Não se corrompa e não corrompa ninguém, pois é só assim que veremos o sol da plena justiça despontar num futuro próximo.

Redação do Momento Espírita.
Em 1.8.2012.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

A apresentação está falhando?

Entre no "www.gmail.com" e feche o usuário aberto.

Divulgue este blog (cartão virtual)

Divulgue este blog (cartão virtual)
Clique com o botão direito do mouse, copie a imagem, cole em uma nova mensagem e envie para seus colegas! caso falhe, procure salvar a imagem e depois enviar como anexo.