segunda-feira, 14 de abril de 2014

Presença amorosa


Era véspera do Dia das Mães. Data em que as lojas ficam repletas de pessoas à procura de presentes.

         Para os que amam suas mães, é apenas mais um dia para se homenagear a especial criatura que lhes deu a vida.

         Para aqueles indiferentes ou esquecidos de manifestações constantes de carinho, é uma oportunidade para lembrar do ser que os gerou, atendeu, sustentou.

         O rico empresário pertencia à segunda categoria. Como todos os anos, foi à mais bela floricultura da cidade.

         Seu intuito era escolher a mais cara flor ali existente, escrever algumas palavras rápidas num cartão e pedir para que fosse remetida para a  casa de sua mãe.

         Estacionou seu carro e, quando ia adentrar a loja, viu uma garotinha com o nariz colado na vitrine.

         O que é que uma garotinha de seus 8 anos, mais ou menos, estaria fazendo ali, olhando flores?

         Que ela estivesse frente a uma confeitaria, devorando doces com os olhos, ou frente a uma loja de brinquedos, desejando um ou outro, seria compreensível.

         Mas, frente a uma floricultura?

         Aproximou-se e perguntou: Oi, menina. Por que você tanto olha essas flores?

         Ela se voltou para ele e o empresário lhe contemplou o rostinho umedecido por pequenas pérolas de pranto.

         Eu queria comprar uma flor para minha mãe, mas não tenho dinheiro.
         O empresário a tomou pela mão, entrou na loja e pediu que ela escolhesse a flor que desejasse. Não uma, mas um grande ramalhete.

         A garotinha ficou radiante e, com muito bom gosto, escolheu flores maravilhosas e perfumadas.

         O homem ficou feliz, contemplando a alegria da pequena. Também ficou imaginando a surpresa da mãe ao ver chegar a filha carregada de flores.

         Por isso, se ofereceu para levá-la até sua mãe.

         Você me ensina o caminho. – Disse ele, enquanto a acomodava em seu luxuoso carro e fechava a porta.

         A menina quase desaparecia atrás do ramalhete florido que abraçava.

         Mas, ela foi indicando a rota, sem pestanejar. Finalmente, ela disse:

         É aqui.

         Ágil, ela saltou do carro, deu adeusinho com a mão e entrou, sozinha... no grande cemitério.

         O empresário viu a pequena andando, por entre túmulos e lembrou de sua própria mãe.

         Então, tomou uma decisão: desistiu de enviar flores, dirigiu alguns quilômetros e foi abraçar, pessoalmente, depois de muitos anos, a sua mãe.
*   *   *
         Se você é daqueles que agenda o dia de dar presentes, o dia de abraçar e beijar, pare um momento.

         Pergunte a si mesmo de que valeria a vida se as pessoas que o amam e as que você diz amar desaparecessem do seu convívio.

         Imagine-se voltar para uma casa vazia, sem abraços aconchegantes e sem risos infantis.

         Pense nisso e ainda hoje vá ao encontro dos que lhe aguardam o carinho e a ternura.

         Abrace, beije, entregue-se.

         Se puder, leve flores, um presente.

         Se não puder, seja a sua presença amorosa o presente mais rico e mais aguardado.
Redação do Momento Espírita, com base 
         em história de autoria desconhecida.
         Em 13.11.2008.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

A apresentação está falhando?

Entre no "www.gmail.com" e feche o usuário aberto.

Divulgue este blog (cartão virtual)

Divulgue este blog (cartão virtual)
Clique com o botão direito do mouse, copie a imagem, cole em uma nova mensagem e envie para seus colegas! caso falhe, procure salvar a imagem e depois enviar como anexo.