sexta-feira, 3 de maio de 2013

A melancolia


Dentre os vários problemas com que se debate a Humanidade, está a melancolia.

A melancolia é um estado d'alma de difícil definição, porque se
manifesta nas profundezas do sentimento.

Sabemos que não nos encontramos pela primeira vez na Terra. Já vivemos
aqui em outras épocas, em outros países, na companhia de outras
pessoas.

Viajores que somos da Eternidade, trazemos em nós as marcas das
experiências vividas nas várias existências.

Hoje estamos na Terra novamente, num corpo diferente, talvez nesse
país por primeira vez, numa situação social diversa da vivida em
outras épocas.

Assim sendo, vez que outra nos deparamos com situações que tocam
pontos guardados nos porões da nossa alma, e sentimos uma saudade de
algo que não sabemos o que é.

Ou, ainda, sentimos uma vaga tristeza, uma depressão injustificável.

Fatos, situações, pessoas, música, perfume são indutores dessas
incursões inconscientes no passado e, conforme tenha sido a
experiência, será o sentimento.

Se o registro é de uma experiência feliz, nos sentiremos bem. Se, ao
contrário, foram experiências malfadadas, teremos o sentimento
correspondente.

Existem pessoas que, quando se deparam com o tempo nublado, frio e
cinzento, sentem-se deprimidas.

Outras, o tempo chuvoso as faz sentirem-se muito bem.

Outras, ainda, quando ouvem uma música, sentem-se transportadas
imediatamente de um estado d'alma a outro completamente inverso.

Por vezes, pessoas do nosso relacionamento nos dizem alguma coisa que
nos deixa tristes, melancólicos, sem que exista motivo para tanto. Mas
o problema não está no que dizem, e sim em como dizem.

Quando nos percebermos mergulhados em melancolia, devemos fazer
esforços para mudar o clima psíquico, através da leitura edificante,
de uma prece, da companhia de alguém que nos ajude a sair dela.

Jamais deveremos dar asas a esse tipo de sentimento, para que não
mergulhemos nele ainda mais, a ponto de perdermos o controle da
situação.

Nos momentos de depressão, quando inconscientemente mergulhamos no
passado, Espíritos infelizes ou antigos comparsas podem tentar nos
envolver nas mesmas teias dos equívocos por nós cometidos
anteriormente, levando­-nos a estados de difícil retorno.

Por essa razão é que não devemos nos entregar aos braços da melancolia
ou da depressão.

É imperioso que façamos esforços, que busquemos com muita vontade
mesmo, mudar nosso clima mental, buscando a sintonia com nossos
Benfeitores Espirituais, que sempre nos amparam e auxiliam em todos os
momentos da nossa existência.

Agindo assim, guardemos a certeza que logo mais, num amanhã feliz,
saberemos o quanto valeu a pena passarmos por essas situações com
coragem e dignidade, porque, então, nos aguardarão de braços abertos,
os afetos dos quais tanta saudade sentimos.

                                                 *   *   *

Expulse a melancolia da sua alma fazendo luz íntima. Acenda a lâmpada
do Evangelho na sua mente.

 Redação do Momento Espírita.
Disponível no CD Momento Espírita, v.1 , ed. Fep.
Em 11.01.2010.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

A apresentação está falhando?

Entre no "www.gmail.com" e feche o usuário aberto.

Divulgue este blog (cartão virtual)

Divulgue este blog (cartão virtual)
Clique com o botão direito do mouse, copie a imagem, cole em uma nova mensagem e envie para seus colegas! caso falhe, procure salvar a imagem e depois enviar como anexo.