segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Perdoar


Perdoar, dizem, é muito difícil. Parece mesmo que no atual estágio da humanidade é impossível, graças às tantas cenas de vingança que as criaturas arquitetam umas contra as outras.
A mágoa é cultivada com esmero, no transcorrer dos dias e dos meses, até se consolidar em ódio, que acaba por consumir àquele que o alimenta.
As manchetes falam de pessoas que planejam com detalhes a sua desforra, ainda que levem muito tempo concretizá-la.
Mesmo no lar, muitas vezes, os pais incentivam os filhos a não receber desaforos sem revidar de imediato e a detestar e perseguir aqueles que, de alguma forma, os agridem.
No entanto há seres humanos verdadeiramente grandes, que brilham vez ou outra pelos excelentes exemplos.
Lembramos, pela oportunidade do fato, de Bud Welch, pai de Julie Marie, sua única filha. Ela foi morta na explosão ocorrida em um prédio federal no dia 19 de abril de 1995, em Oklahoma City. Outras 167 pessoas morreram na mesma oportunidade e o terrorista Timothy Mac Veigh, autor do atentado foi preso, julgado e condenado à morte.
Pois Bud Welch, que participa do grupo famílias de vítimas de assassinatos pela reconciliação, cujos membros pregam o perdão, lutou pela suspensão da execução do terrorista, até o último momento.
Contrário à pena de morte, Bud se afirmava satisfeito por estar fazendo tudo o que era humanamente possível para suspender a execução daquele homem. "vou me sentir bem por ter tentado" afirmou.
Ao lado deste coração de pai ferido, que teve sua única filha morta na explosão da bomba, outros tantos se movimentaram nos dias que antecederam à execução.
A anistia internacional pediu ao presidente americano que a execução não se desse.
O grupo americano da organização de defesa dos direitos humanos, encarregado do programa para o fim da pena de morte, sugeriu a introdução imediata de uma moratória sobre a aplicação da pena de morte nos estados unidos.
Apesar de tudo, Timothy Mac Veigh foi morto. Mas ficou a lição de um coração paterno movendo céus e terra para que uma vida fosse preservada, a do assassino de sua filha.
Perdoar significa valiosa conquista do espírito sobre si mesmo, superando imposições inferiores do ego.
O grande desafio para o homem inteligente, que tem os olhos postos no infinito é se dedicar ao equilíbrio.
Esquecer o mal recebido é atitude que demonstra o desenvolvimento de aptidões superiores que, afinal, se encontram inatas em todas as criaturas e aguardam, somente, serem acionadas e colocadas em prática.
***
Após a tempestade violenta, que fere a paisagem majestosa, a natureza toda se recompõe e retorna a brilhar, colorida e festiva. É o sinal do seu perdão a quem a maltratou ha poucas horas.
Depois da sombra da noite pavorosa, a claridade do dia se apresenta, restabelecendo a confiança e preservando a paz.
O coração ferido por golpes agressivos que se ergue para perdoar e esquecer, é mensagem de esperança que se derrama pela terra, pois, se pensarmos bem, quem de nós não necessita do perdão do outro?
Quem de nós não aguarda a madrugada sorridente, após a noite de sombras?
Quem de nós não espera, ansioso, o retorno do sol após a chuva torrencial?
Redação do Momento Espírita, baseado em notícia divulgada pelo Boletim Informativo da Federação Espírita Roraimense de maio/2001 e no livro Desperte e seja feliz, ed. LEAL, cap. 19.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

A apresentação está falhando?

Entre no "www.gmail.com" e feche o usuário aberto.

Divulgue este blog (cartão virtual)

Divulgue este blog (cartão virtual)
Clique com o botão direito do mouse, copie a imagem, cole em uma nova mensagem e envie para seus colegas! caso falhe, procure salvar a imagem e depois enviar como anexo.