segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Passaporte


Não são raras as declarações que ouvimos de algumas pessoas, que têm medo de morrer.
Não se trata apenas do receio de que algum ser amado morra, mas sim de elas próprias falecerem, abandonando em definitivo o corpo de que se valem nesta existência.
A morte é um processo natural em todos os níveis da vida física.
As plantas brotam, florescem, murcham e morrem.
Os animais nascem, desenvolvem-se, reproduzem-se e também morrem.
Os elementos químicos passam pelas mais diversas transformações, em virtude das mudanças de pressão e de temperatura, alterando seu estado inicial para outro, incessantemente.
Também nós, seres humanos, estamos sujeitos a essa espécie de transformação.
Sim, porque a morte nada mais é do que uma transformação.
Não é o fim.
É uma passagem para uma nova etapa.
Este corpo físico perecerá, como tantos outros dos quais já nos valemos em outras existências.
Mas nossa individualidade, nossa essência, essa jamais deixará de existir.
Somos espíritos imortais, criados por Deus, simples e ignorantes.
Nosso destino é a felicidade, a qual só poderá ser alcançada por meio do desenvolvimento e do crescimento, que são os frutos naturais de nossos estágios no corpo físico.
Não há lugar para o acaso na existência humana.
Deus não é um jogador de dados a distribuir alegria e tristeza, saúde e enfermidade, vida e morte, aleatoriamente.
Existem leis instituídas pelo Criador que disciplinam a evolução de suas criaturas, oferecendo-lhes experiências compatíveis com suas necessidades.
Uma delas é a da reencarnação, possibilitando-nos viver múltiplas existências na carne, tal qual alunos internados num educandário, periodicamente, para aprendizado específico.
O medo da morte decorre, em geral, da falta de informação.
Somente nos livraremos em definitivo de temores e de dúvidas quando nos ajustarmos às realidades espirituais.
Espíritos eternos, por ora encarcerados na matéria, não podemos esquecer que nossa morada definitiva situa-se no plano espiritual.
As dificuldades e limitações existentes, em mundos densos como a terra, funcionam como lixas necessárias a aparar nossas imperfeições mais grosseiras.
Nossa existência não é uma estação de férias que possa ser marcada pela indiferença e pela acomodação.
Desenvolvamos a consciência de eternidade, reconhecendo que não somos meros aglomerados celulares dotados de inteligência, surgidos no berço e aniquilados no túmulo.
Não.
Já existíamos antes do berço e continuaremos a existir depois do túmulo.
Deixemos de lado as ilusões e busquemos os valores inalienáveis da virtude e do conhecimento, nosso passaporte para as moradas ditosas no infinito.
É difícil definir quando seremos convocados para o além.
A morte muitas vezes surpreende, ninguém sabe como e quando virá.
O ideal é estarmos sempre preparados, vivendo cada dia como se fosse o último, aproveitando o tempo que nos resta nessa existência, no esforço disciplinado e produtivo em favor da edificação humana.
Mantenhamos nosso passaporte em dia, afinal, mais cedo ou mais tarde, ele nos será exigido pela nossa própria consciência, no momento da inevitável partida.
Equipe de Redação do Momento Espírita, com base nos capítulos “Por que morrem as flores” e “Passaporte”, do livro “Quem tem medo da morte?” De Richard Simonetti.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

A apresentação está falhando?

Entre no "www.gmail.com" e feche o usuário aberto.

Divulgue este blog (cartão virtual)

Divulgue este blog (cartão virtual)
Clique com o botão direito do mouse, copie a imagem, cole em uma nova mensagem e envie para seus colegas! caso falhe, procure salvar a imagem e depois enviar como anexo.