quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Investindo no futuro



Todos os domingos aquele homem era visto em frente ao templo religioso. Não sabiam o seu nome, nem de onde vinha. Passava algumas horas ali, no período da manhã e, da forma que aparecia, desaparecia até à semana seguinte.
Um tanto mais do que maduro, podia-se qualificá-lo de idoso. Por se trajar de forma muito simples e ficar postado à porta do templo, foi confundido certo dia com um mendigo.
Alguém lhe ofereceu uma esmola e ele, sorrindo, agradeceu, dizendo que não precisava dela, pois graças a Deus podia prover ao próprio sustento.
Comunicativo, tinha uma forma toda especial de falar e quem quer que por ali passasse e resolvesse parar, logo se detinha em longa conversa com o velhinho.
Contudo, ninguém lhe perguntava por que permanecia ali por algumas horas todo domingo. Até que, certo dia, alguém se aproximou dele e lhe perguntou o que fazia ali aos domingos, sem se importar com o tempo frio ou os dias de intenso sol e calor.
A resposta foi rápida: Estou esperando os meus netos saírem da aula de evangelização.
Na sequência, o bom homem foi esclarecendo o mistério de sua presença à porta do templo, todos os domingos. Ele trazia, desde alguns anos, seus dois netos para a escola de evangelização. Ficava do lado de fora, esperando a aula terminar para os levar de volta.
Quando eram menores, disse ele, trazia os dois ao mesmo tempo em sua bicicleta, porque longa era a distância. Agora, que já tinham seus 8 e 10 anos, mais pesados e maiores, ele trazia um, retornava para casa e buscava o outro. Ao final da aula, fazia o trajeto inverso.
Mas o senhor não cansa? Perguntou o interlocutor curioso. Afinal, já não é tão jovem.
Não há problema, foi a resposta. Pois não dizem que é muito bom fazer ginástica, malhar, como falam os jovens? Pois enquanto muitos pagam academia para malhar, eu saio de bicicleta e faço exercício.
Trago meus netos para ouvirem falar a respeito de Jesus, de Deus, das coisas boas que o homem deve fazer para se tornar feliz.
Imagine que, enquanto conduzo meus netos para casa, eles vão me contando pelo caminho o que aprenderam. Cada dia mais me entusiasmo e fico à espera das suas aulas seguintes.
Pode-se dizer que faço ginástica enquanto invisto na formação de meus netos e numa sociedade melhor para o futuro.
E além de manter-me em forma e com disposição, aprendo sobre essas coisas que fazem bem ao Espírito da gente.
*   *   *
Orientar a infância é preparar o futuro risonho, pelo qual todos anelamos.
Conduzir os pequeninos para Jesus é atender ao convite do Divino Mestre, permitindo que Dele se aproximem, não os impedindo por motivo algum.
É na meninice corpórea que o Espírito encontra ensejo de renovar as bases da própria vida. Eis porque não lhe pode faltar a mensagem renovadora da Boa Nova.
Não nos esqueçamos de ver, sempre, no coração infantil o esboço da geração próxima, guardando a certeza de que orientar a criança é assegurar ao mundo um futuro melhor.

Redação do Momento Espírita, com pensamentos finais do 
cap. 21 do livro Conduta Espírita, pelo Espírito André Luiz,
 psicografia de Waldo Vieira, ed. Feb.
Em 30.07.2010.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

A apresentação está falhando?

Entre no "www.gmail.com" e feche o usuário aberto.

Divulgue este blog (cartão virtual)

Divulgue este blog (cartão virtual)
Clique com o botão direito do mouse, copie a imagem, cole em uma nova mensagem e envie para seus colegas! caso falhe, procure salvar a imagem e depois enviar como anexo.